Categorias
MOGI DAS CRUZES

Veja onde estão os radares que começam a multar nesta segunda em Mogi das Cruzes



Alguns radares da cidade de Mogi das Cruzes foram trocados de locais pela Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana e começam a aplicar multas a partir desta segunda-feira (13).



No total, sete locais estão recebendo equipamentos de fiscalização que estavam instalados em outros pontos, sendo que quatro deles foram mantidos nas mesmas vias, mudando apenas a altura em que o radar irá operar.



Na avenida Júlio Simões, o equipamento de fiscalização que ficava no número 2.905 passa a operar na altura do número 225. Na avenida Valentina Mello Freire Borenstein, o equipamento de fiscalização localizado em frente ao Parque Leon Feffer, no sentido Centro-Bairro, foi transferido para o trecho próximo à ponte sobre o rio Tietê, onde há uma sequência de curvas.



Também houve o remanejamento na mesma via na avenida Kaoru Hiramatsu – onde o aparelho localizado nas proximidades da UPA foi alterado para a altura do número 100 – e na avenida Lothar Waldemar Hoehne, em que a fiscalização passou da altura do número 1.747 para a altura do número 1.846.



Já o aparelho de fiscalização de velocidade que estava instalado na avenida Antônio de Almeida, próximo à ponte sobre o rio Tietê, passa a operar na avenida Governador Adhemar de Barros, altura do número 127. Por fim, os equipamentos que fiscalizavam avanço de sinal vermelho nos dois sentidos da avenida João XXIII no cruzamento com a rua Júlio Perotti passam a atuar no cruzamento da avenida Francisco Rodrigues Filho com a avenida José Moreira Filho e no da avenida Prefeito Francisco Ribeiro Nogueira com a avenida Pedro Machado.

De acordo com a administração, a alteração nos radares foi realizada com base em estudos técnicos e com o objetivo de melhorar a segurança viária da cidade.

Mudanças de radares em Mogi das Cruzes

Quer ficar por dentro de tudo o que acontece em Mogi das Cruzes e região? Siga-nos no Instagram e Google News e entre em nossos grupos no Telegram e WhatsApp.

Por Leandro Cesaroni

Jornalista graduado pela FIAM e pós-graduado em jornalismo cultural pela FAAP