MOGI DAS CRUZES

Mogi das Cruzes tem três casos confirmados e um suspeito de Varíola do Macaco

Duas semanas após registrar o primeiro caso de Varíola do Macaco (Monkeypox) no município, Mogi das Cruzes soma agora três casos confirmados da doença, além de monitorar um caso suspeito, que aguarda resultados de exames.

As informações foram divulgadas pela Secretaria Municipal de Saúde, que acrescentou que todos os pacientes são adultos jovens.

Até o momento, já foram confirmados 1.860 casos da Varíola do Macaco em todo o Brasil, sendo que cerca de 75% dos casos se concentram no Estado de São Paulo, motivo pelo qual o governador Rodrigo Garcia anunciou, na quinta-feira (4), o lançamento de um plano de enfrentamento à Monkeypox.

Por meio da chamada Rede Emílio Ribas de Combate à Monkeypox serão disponibilizados 93 hospitais e maternidades, protocolos de diagnóstico e assistência, rede credenciada de laboratórios para testagem e vigilância genômica, serviço de orientação por telefone 24h para profissionais de saúde, intensificação de ações de capacitação e a criação do Centro de Controle e Integração formado por 24 especialistas.

Os hospitais de referência darão retaguarda para os casos mais graves com necessidade de internação de pacientes e leitos de isolamento ou Unidades de Terapia Intensiva (UTI). Além do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, serão referência no atendimento os hospitais universitários, como o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e o Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, e os hospitais gerais próprios do estado.

Em Mogi das Cruzes, a Secretaria Municipal de Saúde prepara um material para ser distribuído entre as unidades de saúde da cidade, orientando os profissionais sobre como proceder em caso de suspeita de Varíola do Macaco. “Até hoje deve ficar pronto este material, para semana que vem nós começarmos a divulgar entre as unidades, justamente para que elas saibam como colher o material e como identificar a suspeita da doença”, afirmou o secretário Zeno Morrone em entrevista à jornalista Marilei Schiavi, no programa Radar Noticioso, da Rádio Metropolitana. Segundo ele, quem tiver sintomas de Monkeypox deve procurar qualquer unidade de saúde do município.

Os primeiros sintomas da Varíola do Macaco podem ser febre, dor de cabeça, dores musculares e nas costas, linfonodos inchados, calafrios ou cansaço. De 1 a 3 dias após o início desses sintomas, as pessoas desenvolvem lesões de pele que podem estar localizadas em mãos, boca, pés, peito, rosto e ou regiões genitais.

Varíola do Macaco: como prevenir

  • Evitar contato próximo/íntimo com a pessoa doente até que todas as feridas tenham cicatrizado;
  • Evitar o contato com qualquer material, como roupas de cama, que tenha sido utilizado pela pessoa doente.
  • Higienização das mãos, lavando-as com água e sabão e/ou uso de álcool gel.

Quer ficar por dentro de tudo o que acontece em Mogi das Cruzes e região? Siga nossos perfis no FacebookInstagramGoogle News e Telegram

Essa notícia foi atualizada em 5 de agosto de 2022 11:19

Compartilhar
Tudo sobre: Varíola do Macaco
Leandro Cesaroni

Jornalista graduado pela FIAM e pós-graduado em jornalismo cultural pela FAAP