BRASIL

Valores a receber: Banco Central divulga novo calendário para sacar dinheiro esquecido

O Banco Central (BC) divulgou um novo calendário para saque de valores a receber, referente a dinheiro “esquecido” por clientes em bancos e instituições financeiras de todo o país. A repescagem teve início no dia 28 de março e vai até o próximo dia 16 de abril, em etapas escalonadas conforme o ano de nascimento.

De acordo com o Banco Central, todo mundo que fez a consulta deve de repetir o procedimento. Isto porque as instituições financeiras acrescentaram informações ao sistema e pode haver novos recursos esquecidos.

Pelo novo calendário, o correntista poderá agendar o saque a qualquer hora da data informada, em vez de entrar em horários determinados pelo sistema. Assim como nas últimas semanas, aos sábados haverá repescagem dentro da repescagem para quem perdeu a chance do agendamento. Confira abaixo.

Calendário de valores a receber

Ano de nascimentoData de liberação
Até 194728/3
1948 a 195429/3
1955 a 195930/3
1960 a 196331/3
1964 a 19671/4
Repescagem até 19672/4
1698 a 19714/4
1972 a 19755/4
1976 a 19796/4
1980 a 19817/4
1982 a 19838/4
Repescagem até 1968 a 19839/4
1984 a 198511/4
1986 a 198812/4
1989 a 199213/4
1993 a 199714/4
A partir de 198815/4
Repescagem de 1984 em diante16/4

Entre 17 de abril e 1º de maio haverá uma reformulação do sistema, segundo o Banco Central. As consultas serão retomadas em 2 de maio, na abertura da segunda fase do programa, que incluirá mais fontes de recursos esquecidos no sistema financeiro.

Para agendar o saque, o usuário deverá ter conta nível prata ou ouro no Portal Gov.br. Identificação segura para acessar serviços públicos digitais, a conta Gov.br está disponível a todos os cidadãos brasileiros. O login tem três níveis de segurança: bronze, para serviços menos sensíveis; prata, que permite acesso a muitos serviços digitais; e ouro, que permite acesso a todos os serviços digitais. Após o pedido de retirada, a instituição financeira terá até 12 dias úteis para fazer a transferência. A expectativa é que pagamentos realizados por meio de Pix ocorram mais rápido.

Segundo o Banco Central, aproximadamente 114 milhões de pessoas e 2,7 milhões de empresas acessaram o sistema de consultas valoresareceber.bcb.gov.br, criado para o resgate do dinheiro. Desse total, 25,9 milhões de pessoas físicas e 253 mil empresas descobriram que têm recursos a receber.

Como sacar valores esquecidos

  1. Acessar o site valoresareceber.bcb.gov.br na data e no período de saque informado na primeira consulta. Quem esqueceu a data pode repetir o processo, sem esperar o dia 7 de março.
  2. Fazer login com a conta Gov.br (nível prata ou ouro). Se o cidadão ainda não tiver conta nesse nível, deve fazer logo o cadastro ou aumentar o nível de segurança (no caso de contas tipo bronze) no site ou no aplicativo Gov.br. O BC aconselha o correntista a não deixar para criar a conta e ajustar o nível no dia de agendar o resgate. Confira aqui como aumentar o nível do login Gov.br.
  3. Ler e aceitar o termo de responsabilidade
  4. Verificar o valor a receber, a instituição que deve devolver o valor e a origem (tipo) do valor a receber. O sistema poderá fornecer informações adicionais, se for o caso. A primeira etapa da consulta só informava a existência de valores a receber,, sem dar detalhes.
  5. Clicar na opção indicada pelo sistema: “Solicitar por aqui”: para devolução do valor pelo Pix em até 12 dias úteis. O usuário deverá escolher uma das chaves Pix, informar os dados pessoais e guardar o número de protocolo, caso precise entrar em contato com a instituição. “Solicitar via instituição”: a instituição financeira não oferece a devolução por Pix. O usuário deverá entrar em contato pelo telefone ou e-mail informado para combinar com a instituição a forma de retirada: Transferência Eletrônica Disponível (TED) ou Documento de Crédito (DOC). Importante: na tela de informações dos valores a receber, o cidadão deve clicar no nome da instituição para consultar os canais de atendimento.

Essa notícia foi atualizada em 6 de abril de 2022 15:26

Compartilhar
Leandro Cesaroni

Jornalista graduado pela FIAM e pós-graduado em jornalismo cultural pela FAAP