ALTO TIETÊ

Cidades do Alto Tietê somam R$ 209 milhões em obras atrasadas ou paralisadas

O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE/SP) lançou, no início deste mês, em seu site, uma ferramenta que permite realizar a consulta das obras que estão atrasadas ou paralisadas em todo o estado. Ela indica que, só na região do Alto Tietê, há 32 obras inacabadas. Juntas, elas somam R$ 209 milhões em investimentos públicos estaduais e municipais.

Em Mogi das Cruzes, a única obra atrasada é a da escola Dr. Arlindo Aquino de Oliveira, que fica na Mogi-Bertioga, em Taiaçupeba. Com custo de R$ 42.600,72 para o cofre do Governo do Estado, o projeto está sob responsabilidade da Projecen Construções e Comércio, que, segundo dados do TCE/SP, já recebeu R$ 37.541,54, ou seja, 88% do valor.

Ferraz de Vasconcelos lidera o ranking com mais obras inacabadas: são oito, no total. Nem por isso a cidade possui o maior valor acumulado em contratos, com investimento de R$ 19,3 milhões. Quem ocupa esta posição é Biritiba Mirim, onde há R$ 91,7 milhões aplicados em apenas duas obras atrasadas ou paralisadas.

Cidades do Alto Tietê com obras inacabadas

Essa notícia foi atualizada em 15 de junho de 2019 20:03

Compartilhar
Leandro Cesaroni

Jornalista graduado pela FIAM e pós-graduado em jornalismo cultural pela FAAP