MOGI DAS CRUZES

Casas demolidas pela Prefeitura de Mogi em Jundiapeba geram repercussão

Uma ação de demolição de casas realizada nesta quinta-feira (12) pela Prefeitura de Mogi das Cruzes em Jundiapeba gerou repercussão entre moradores do bairro e alguns vereadores da cidade. Os imóveis demolidos ficavam na Rua Pedro Paulo dos Santos e, segundo a administração municipal, foram construídos em uma área de proteção ambiental.

Ainda de acordo com a Prefeitura, a ação, que contou com o apoio das equipes da Secretaria de Serviços Urbanos, Fiscalização de Posturas e Guarda Municipal de Mogi das Cruzes, derivou de um mandado judicial.

Durante a demolição, a vereadora Inês Paz (PSOL) esteve no local e afirmou que, além das duas casas derrubadas, outras três devem ser demolidas nos próximos dias, afetando ao todo cinco famílias. “Isso é um absurdo, porque é preciso fazer com que essas famílias tenham outras casas para morar”, disse a parlamentar.

O vereador Iduigues Martins (PT) também fez uma publicação nas redes sociais para lamentar as desapropriações. “Uma gestão tem que olhar para as pessoas e não somente para a Lei, por isso, não adianta demolir casas sem resolver o problema que leva as pessoas a morarem desta maneira, e este problema não é meramente legal mas social”, afirmou ele.

Em nota, a Prefeitura de Mogi das Cruzes se defendeu dizendo que “A demolição realizada nesta quinta-feira (12/08) deriva de um mandado judicial expedido em junho deste ano. Após a constatação, por parte de oficial de Justiça, que o imóvel estava desabitado, a Prefeitura informou ao juiz que procederia com a demolição. Tratava-se de uma construção de aproximadamente 10 cômodos, inacabada, sem teto ou qualquer ocupante, edificada irregularmente em Área de Proteção Permanente (APP)”.

O Notícias de Mogi teve acesso a um vídeo gravado pela equipe que realizou a demolição. As imagens mostram o interior das casas antes de elas serem derrubadas. Assista abaixo:

Essa notícia foi atualizada em 11 de outubro de 2021 11:51

Compartilhar
Leandro Cesaroni

Jornalista graduado pela FIAM e pós-graduado em jornalismo cultural pela FAAP