MOGI DAS CRUZES

Mogi registra queda no número de mortes em acidentes de trânsito

Pelo segundo mês consecutivo, Mogi das Cruzes registrou queda no número de mortes no trânsito, com relação ao mesmo período de 2018. De acordo com os dados do sistema Infosiga, do Governo do Estado, a cidade teve dois óbitos em acidentes de trânsito no mês de abril, uma queda de 75% com relação ao mesmo mês do ano passado, quando ocorreram oito.

No acumulado dos primeiros quatro meses do ano, os números de 2019 também estão menores que em 2018. Até aqui, são 25 mortes no trânsito de Mogi das Cruzes, entre ocorrências em vias municipais e estaduais, contra 28 no mesmo período do ano passado, uma queda de 10,7%.

O secretário municipal de Transportes, José Luiz Freire de Almeida, atribui a queda de mortes ao trabalho que vem sendo desempenhado pela administração municipal. “Desde a criação do Comitê de Segurança Viária até ações de sinalização, fiscalização e educação para o trânsito, que são adotadas com base nos dados do Infosiga e estudos desenvolvidos pela secretaria. O objetivo de todo este trabalho é salvar vidas”, disse ele.

Maio Amarelo

O secretário lembrou ainda que, durante este mês, estão sendo realizadas diversas ações de educação para o trânsito e conscientização, dentro do Maio Amarelo – campanha que chama a atenção sobre a necessidade da adoção de um comportamento seguro no trânsito.

Entre os destaques da programação, que vai até o dia 31, estão dois ônibus caracterizados com a cor, o logo e o slogan da campanha que percorrerem linhas do sistema de transporte coletivo. Além disso, segundo a Prefeitura, agentes municipais de trânsito estão em ônibus municipais orientando os passageiros sobre o comportamento seguro no trânsito, com foco principal no pedestre.

A programação também conta com atividades em cruzamentos de grande movimentação de pedestres e veículos, ações da Escola Mirim de Trânsito, blitz educativa, palestras e visitas a escolas.

Essa notícia foi atualizada em 21 de maio de 2019 11:52

Compartilhar
Leandro Cesaroni

Jornalista graduado pela FIAM e pós-graduado em jornalismo cultural pela FAAP