ALTO TIETÊ

Com apoio da Suzano, agricultores do Alto Tietê diversificam e ganham novos mercados

A Suzano, empresa fabricante de bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de eucalipto, tem colaborado para o fortalecimento da agricultura familiar na região do Alto Tietê por meio do PDRT (Programa de Desenvolvimento Rural e Territorial).

Desenvolvido há quase uma década na região, o programa visa promover a geração de emprego e renda no campo através do fortalecimento da cadeia produtiva em ação conjunta com associações de pequenos produtores rurais. Para isso, a empresa disponibiliza consultoria especializada e acompanhamento desde plantio até comercialização; aquisição de insumos iniciais para a modernização dos processos e implementação do sistema de orgânicos e agroecológicos nas propriedades participantes.

O resultado pode ser percebido por meio dos dados de comercialização. Em toda a região, que engloba também a do Vale do Paraíba, a receita bruta média atingiu o índice de R$ 505,6 mil ao ano, conforme último levantamento que considerou as movimentações comerciais realizadas em 2019. Estima-se que, somente na região do Alto Tietê, a comercialização de produtos agroecológicos movimente R$ 317,9 mil anualmente, beneficiando 33 famílias de três municípios (Santa Branca, Salesópolis e Guararema).

Foto: Divulgação/Suzano

“O objetivo dos programas de geração de renda da Suzano, como o PDRT, é identificar o perfil daquela comunidade e potenciá-lo para fazer daquela vocação uma fonte de renda e qualidade de vida. Essa proposta que vem ao encontro da meta de longo prazo da Suzano, que é de reduzir o número de pessoas na linha de pobreza. Trata-se de uma meta audaciosa e que pretende promover a transformação na sociedade como um todo, o que inclui a população do campo”, destaca Israel Batista Gabriel, coordenador de Desenvolvimento Social da Suzano. Anunciadas no início deste ano, as metas de longo prazo da companhia incluem a de retirar 200 famílias da linha da pobreza.

Para Israel, uma das principais conquistas do programa na região foi a modernização e capacitação dos produtores para melhorar a produtividade no campo, a inserção da produção de agroecológicos e, por meio de certificações, a abertura para novos mercados consumidores. Hoje, são três modalidades de venda trabalhadas pelos agricultores familiares: a direta, em que o produto é entregue nas mãos dos consumidores; por meio das políticas públicas de aquisição, como PNAE e PAA (Programa de Aquisição de Alimentos), e a comercialização para grandes fornecedoras.  

“Além disso, temos uma quarta modalidade, que é a fornecimento dos alimentos para o consumo nas unidades da Suzano. Hoje, o restaurante da unidade de Jacareí já é abastecido com a produção dos agricultores apoiados pelo PDRT e a nossa expectativa é que até o próximo ano, essa parceria também se concretize para o fornecimento de alimentos para os restaurantes das unidades de Suzano e de Limeira, atingindo a marca de 100% das nossas unidades abastecidas com alimentos produzidos com apoio do PDRT. Com isso, vamos fechar o ciclo: a Suzano incentiva o agricultor familiar, o que movimenta a economia e, por sua vez, o alimento volta para a unidade, para o prato do colaborador da Suzano”, completa Israel.

O PDRT, conforme Hélio Ocanha Lorca, diretor-presidente da Camat (Cooperativa Agrícola Mista do Alto Tietê) tem colaborado para a transformação e desenvolvimento da agricultura familiar na região. “O município de Salesópolis pertence a Região Metropolitana de São Paulo, mas é essencialmente agrícola e a implantação do PDRT, que atende a uma solicitação antiga da cooperativa, traz novas perspectivas aos agricultores locais. Com foco nas boas técnicas de cultivo, produtividade e rentabilidade, o programa possibilita apoio à organização e acesso a políticas públicas de comercialização. Para a Camat, é uma grande oportunidade para implantação da diversificação de seus produtos e para o desenvolvimento dos pequenos produtores rurais”, ressalta.

Foto: Divulgação/Suzano

Sistema delivery

O apoio do PDRT aos agricultores familiares não foi suspenso com a pandemia do novo coronavírus. Além de adaptar o serviço de consultoria para a modalidade remota, com o uso da internet, a Suzano também lançou a ação “A feira vai até você” nas comunidades onde há fábricas, com o objetivo de garantir renda aos agricultores familiares durante a crise e de sensibilizar a população em geral sobre a importância da agricultura familiar para o abastecimento de alimentos no país e sobre os benefícios dos produtos agroecológicos.

O resultado da ação superou as expectativas da empresa. Entre os meses de maio e junho, foram comercializadas 1.156 cestas agroecológicas no interior paulista. O número corresponde a uma média de 144,5 cestas semanais, totalizando 6,3 toneladas alimentos comercializados. A ação gerou uma receita bruta de R$ 32,7 mil aos produtores nesses dois meses.

Na região do Alto Tietê, o trabalho de fomento da entrega de cestas por delivery contou ainda com a campanha Salé Solidária, ação desenvolvida em uma parceria entre PDRT, Camat, Prefeitura de Salesópolis e ONGs Akarui e Suinã, com o objetivo de adquirir alimentos dos produtores para distribuir a famílias em situação de vulnerabilidade durante a pandemia.

“A opção delivery criada para atender a campanha Salé Solidaria está despertando novas oportunidades aos agricultores e à própria cooperativa, tanto na produção e distribuição dos produtos como a criação de cestas de alimentos.  Os agricultores cooperados participantes do programa PDRT tem destacado o conteúdo do programa, importante para a realização das atividades no campo, tornando-as, dessa forma, fonte de geração de emprego e garantia de renda da família”, completa Lorca.

Essa notícia foi atualizada em 24 de julho de 2020 16:52

Compartilhar
Tudo sobre: AgriculturaSuzano

O portal Notícias de Mogi utiliza cookies e tecnologias semelhantes para melhorar sua navegação. Ao continuar navegando você concorda com a nossa Política de Privacidade

Leia mais