MOGI DAS CRUZES

Câmara de Mogi repudia atentado a tiros sofrido por professor de dança no Jardim Camila

Foi aprovada pelos vereadores, na sessão ordinária desta terça-feira (15) da Câmara de Mogi das Cruzes, a Moção 61/2020, de autoria do vereador Iduigues Martins (PT). A iniciativa repudia o ataque sofrido pelo artista Lucas Souza Garcia, baleado enquanto dava aulas ao ar livre de Zumba no Jardim Camila, no dia 9 de dezembro.

De acordo com o boletim de ocorrência, o professor foi vítima de uma “bala perdida”, versão contestada por Lucas, que acredita ter sobrevivido a uma tentativa de homicídio.

O vereador Iduigues Martins atribuiu o ocorrido à polarização política que há no país. “Um crime motivado pelo ódio que infelizmente permeia na sociedade brasileira. O crime não está esclarecido, mas nós sabemos que é um crime motivado por essa onda homofóbica, por essa onda de ódio e violência, embalada por uma sociedade que valoriza mais a morte do que a vida”, afirmou.

A Moção pede para que as autoridades investiguem o crime, que até então não foi esclarecido. O vereador Rodrigo Valverde (PT) usou a tribuna para enaltecer a aprovação da Moção. “É uma moção que tem peso. É impossível que com essa Moção as pessoas vão fingir que nada aconteceu no Jardim Camila”, afirmou.

Já o vereador Marcos Furlan (DEM) pediu para que as autoridades investiguem o caso. “Não podemos tolerar esse tipo de violência em qualquer circunstância. Ainda mais em uma atividade física que oferece qualidade de vida”, disse ele.

A Moção será enviada ao delegado da seccional de Mogi das Cruzes, dr. Jair Barbosa Ortiz e ao Secretário de segurança pública do Estado de São Paulo, general João Camilo Pires de Campos.

Essa notícia foi atualizada em 15 de dezembro de 2020 19:05

Compartilhar

O portal Notícias de Mogi utiliza cookies e tecnologias semelhantes para melhorar sua navegação. Ao continuar navegando você concorda com a nossa Política de Privacidade

Leia mais