BRASIL

Auxílio gasolina: veja quem terá direito ao benefício de R$ 300 aprovado no Senado

Com a alta no preço da gasolina, o Senado Federal aprovou, em março, por 61 votos a 8, um projeto de lei (PL 1472/2021) que cria a Conta de Estabilização dos Preços dos combustíveis (CEP). A proposta prevê a ampliação do auxílio-gás e cria o Auxílio Combustível Brasileiro (ACB), popularmente chamado de auxílio gasolina.

De autoria do senador Rogério Carvalho (PT-SE), o texto foi aprovado conforme versão proposta pelo relator, o senador Jean Paul Prates (PT-RN).

O novo benefício destinaria um “vale” nos valores de R$ 100 e R$ 300 para taxistas, mototaxistas e motoristas de aplicativos.

Conforme a proposta do auxílio gasolina, apresentada pelos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Eduardo Braga (MDB-AM) e acatada por Prates, o novo benefício vai priorizar participantes do programa Auxílio Brasil. O gasto previsto está limitado a R$ 3 bilhões.

“O que nós estamos fazendo é a concessão de um valor para tentar trazer para uma situação de normalidade. Não estamos concedendo uma vantagem para o consumidor. Estamos tentando reduzir o dano causado por situações externas”, afirmou Alessandro.

De acordo com o projeto de lei, o auxílio gasolina será pago em parcelas mensais nos seguintes valores:

  • R$ 300 para motoristas autônomos do transporte individual (incluídos taxistas e motoristas de aplicativos) e condutores de pequenas embarcações;
  • R$ 100 para motoristas de ciclomotor ou motos de até 125 cilindradas.

Em ambos os casos, o rendimento familiar mensal do beneficiário deve ser de até três salários mínimos.

Durante a votação do texto, os senadores afirmaram que o sistema proposto é a solução “possível” neste momento para a crise do petróleo, mas defenderam que o Brasil busque a autossuficiência na produção de combustíveis para não depender de importações.

O que falta para o auxílio gasolina ser liberado?

Antes de entrar em vigor, o projeto de lei que cria o benefício ainda precisa ser aprovado na Câmara dos Deputados.

Segundo o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, assim que o presidente da Câmara voltar de uma missão oficial ao exterior, vai intermediar uma reunião com a participação do deputado e do ministro da Economia, Paulo Guedes. “Eu acredito que é uma medida, nesse instante, muito necessária, sobretudo após o anúncio do lucro da Petrobras no primeiro trimestre, da ordem de R$ 44,5 bilhões. É evidente que os dividendos da União devem participar e contribuir para essa solução especialmente para a sociedade que mais precisa da contenção do aumento desses combustíveis”, defendeu.

Para receber mais novidades sobre benefícios sociais, entre em nossos grupos no Facebook e Telegram

Essa notícia foi atualizada em 6 de junho de 2022 20:58

Compartilhar
Leandro Cesaroni

Jornalista graduado pela FIAM e pós-graduado em jornalismo cultural pela FAAP