Categorias
ALTO TIETÊ

Indústrias do Alto Tietê exportaram mais de US$ 500 milhões no primeiro semestre de 2023



No primeiro semestre de 2023, as exportações realizadas por indústrias da região do Alto Tietê totalizaram US$ 508,4 milhões, com aumento de 1,5% na comparação interanual. As importações somaram US$ 876,4 milhões, o que significa crescimento de 5,8%.



Os dados são referentes à área da Diretoria do CIESP de Mogi das Cruzes, que abrange também os municípios de Suzano, Ferraz de Vasconcelos, Poá, Itaquaquecetuba, Guararema, Biritiba Mirim e Salesópolis.



Os produtos mais exportados foram papel e cartão (20,9%), máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos (19,1%) e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (7,5%). Já as importações foram principalmente de automóveis e tratores (21,3%), máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos (20,8%) e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (9,1%).



Os maiores destinos das exportações de Mogi das Cruzes foram os Estados Unidos (26%), Argentina (15,8%) e Chile (5,4%). As compras, por sua vez, tiveram como principais origens a China (17,9%), Alemanha (15,3%) e Japão (12,2%). 



Rafael Cervone, presidente do CIESP, salienta que “a indústria, cujo avanço e fortalecimento temos defendido perante o governo, pode contribuir de modo cada vez mais significativo para ampliação das vendas internacionais, tanto em volume quanto pelo fato de incluir produtos de alto valor agregado na pauta de exportações”.

Estado de SP

No primeiro semestre de 2023, a balança comercial do Estado de São Paulo registrou superávit de US$ 137 milhões, revertendo saldo negativo de US$ 2,29 bilhões em igual período do ano passado.

De janeiro a junho deste ano, as exportações paulistas foram de US$ 36,16 bilhões, com aumento de 1,5% ante os US$ 35,63 bilhões de 2022. As importações diminuíram de US$ 37,92 bilhões para US$ 36,02 bilhões, com recuo de 5%.

Quer ficar por dentro de tudo o que acontece em Mogi das Cruzes e região? Siga nossos perfis no InstagramFacebook e Google News e entre em nossos grupos no Telegram e WhatsApp.

Por Leandro Cesaroni

Jornalista graduado pela FIAM e pós-graduado em jornalismo cultural pela FAAP