POLÍCIA

Caminhoneiro de 46 anos espanca ex-namorada de 16 e tenta estuprá-la em Mogi

A Polícia Civil, por meio da Delegacia da Mulher de Mogi das Cruzes, abriu uma investigação para apurar uma denúncia de uma adolescente de 16 anos que acusa o ex-namorado – um caminhoneiro de 46 anos – de ter a espancado e tentado estuprá-la no último dia 20. O motivo foi uma crise de ciúmes.

O boletim de ocorrência registrado pela mãe da vítima diz que o casal manteve um relacionamento por cerca de três meses. Quando chegou ao fim, no entanto, o homem – Wanderson Silva de Almeida – não aceitou o término e convidou a adolescente para comer um lanche e conversar.

A jovem aceitou, mas em vez de lanchonete foi levada a uma choperia, onde o ex-namorado começou a beber e, em dado momento, tirou o celular da mão da vítima e passou a discutir com ela.

Segundo o boletim, depois de alguns minutos, ambos saíram do local e Wanderson obrigou a adolescente a entrar em seu carro. Ele saiu dirigindo perigosamente e, o tempo todo, agredindo a vítima com mordidas nas mãos, rosto e boca. Até o momento em que ele parou o carro em um posto de combustível e tentou força-la a tomar alguns comprimidos, alegando que a morte dela estava “em suas mãos”. Ainda dentro do veículo, ele tentou estuprá-la.

A vítima foi levada para uma área de mata, onde apanhou com socos no rosto e na costela e chutes na barriga e perna. De acordo com o boletim de ocorrência, Wanderson ainda tentou esganá-la. As agressões começaram às 22h e terminaram somente às 8h do dia seguinte.

Hematoma no braço da vítima (Foto: Arquivo pessoal)

Depois, o homem obrigou a adolescente a acompanhá-lo a um hotel, para que desse tempo de os hematomas clarearem um pouco. Eles deixaram o local por volta das 11h, com a vítima toda machucada.

A polícia solicitou medida protetiva à adolescente e requisitou exames no Instituto Médico Legal (IML). O caso foi registrado como violência doméstica, lesão corporal, ameaça, injúria e tentativa de estupro.

Wanderson segue foragido. Informações sobre o paradeiro do caminhoneiro podem ser compartilhadas com a polícia pelo Disque-Denúncia (181) e não é necessário se identificar.

A polícia procura por Wanderson Silva de Almeida

Essa notícia foi atualizada em 29 de maio de 2019 14:35

Compartilhar
Leandro Cesaroni

Jornalista graduado pela FIAM e pós-graduado em jornalismo cultural pela FAAP. Possui mais de 10 anos de experiência em jornalismo online