MOGI DAS CRUZES

Mogi das Cruzes registra 17 estupros em julho, segunda maior média em cinco anos

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) divulgou, nesta terça-feira (25), os dados criminais registrados em todo o Estado no mês de julho. Em Mogi das Cruzes, os números que mais chamam a atenção são os relacionados aos casos de estupro.

Somente no último mês, foram contabilizados 17 estupros nas delegacias da cidade, sendo que 10 das vítimas eram vulneráveis, ou seja, menores de 14 anos, portadores de enfermidades ou deficiências mentais, ou pessoas que, por qualquer outro motivo, tenham sua capacidade de resistência diminuída (uma pessoa que foi dopada ou está alcoolizada, por exemplo).

Esta é a segunda maior média mensal de estupros nos últimos cinco anos em Mogi das Cruzes – a primeira foi registrada em outubro de 2019, quando foram abertos 21 boletins de ocorrência desta natureza, sendo que 16 vitimaram vulneráveis.

O confinamento em casa, necessário para conter a pandemia do novo coronavírus, foi um dos fatores que acabou expondo mulheres e crianças a uma maior incidência de violência doméstica. Um relatório da organização não governamental (ONG) World Vision estima que, entre junho e agosto, até 85 milhões de crianças e adolescentes, entre 2 e 17 anos, poderão se somar às vítimas de violência física, emocional e sexual nos próximos em todo o planeta. O número representa um aumento que pode variar de 20% a 32% da média anual das estatísticas oficiais.

“À medida que o coronavírus progride, milhões de pessoas se refugiam em suas casas para se proteger. Infelizmente, a casa não é um lugar seguro para todos, pois muitos membros da família precisam compartilhar esse espaço com a pessoa que os abusa. Escolas e centros comunitários não podem proteger as crianças como costumavam nessas circunstâncias. Como resultado, nosso relatório mostra um aumento alarmante nos casos de abuso infantil a partir das medidas de isolamento social”, afirma Andrew Morley, presidente do conselho da World Vision International.

De acordo com o Art. 213 do Código Penal Brasileiro, em caso de estupro, a pena de reclusão é de 6 a 10 anos, no entanto, pode chegar a 12 anos se a vítima tiver entre 14 e 18 anos de idade e a 15 anos se tiver menos de 14 anos de idade. A pena pode, ainda, alcançar reclusão de 20 anos se o crime resultar em lesão corporal grave e 30 anos se resultar na morte da vítima.

Dados criminais registrados em Mogi das Cruzes no 1º semestre de 2020:

NaturezaJanFevMarAbrMaiJunJulTotal
HOMICÍDIO DOLOSO (2)241224116
Nº DE VÍTIMAS EM HOMICÍDIO DOLOSO (3)341224117
HOMICÍDIO DOLOSO POR ACIDENTE DE TRÂNSITO00000000
Nº DE VÍTIMAS EM HOMICÍDIO DOLOSO POR ACIDENTE DE TRÂNSITO00000000
HOMICÍDIO CULPOSO POR ACIDENTE DE TRÂNSITO321245017
HOMICÍDIO CULPOSO OUTROS01000001
TENTATIVA DE HOMICÍDIO134013416
LESÃO CORPORAL SEGUIDA DE MORTE00100001
LESÃO CORPORAL DOLOSA53575944427276403
LESÃO CORPORAL CULPOSA POR ACIDENTE DE TRÂNSITO45212916232234190
LESÃO CORPORAL CULPOSA – OUTRAS1516121112111390
LATROCÍNIO00000000
Nº DE VÍTIMAS EM LATROCÍNIO00000000
TOTAL DE ESTUPRO (4)841344121762
ESTUPRO032103716
ESTUPRO DE VULNERÁVEL81113491046
TOTAL DE ROUBO – OUTROS (1)87809385947981599
ROUBO – OUTROS86799382927780589
ROUBO DE VEÍCULO1415191015921103
ROUBO A BANCO00000000
ROUBO DE CARGA110322110
FURTO – OUTROS3282541971421352162121.484
FURTO DE VEÍCULO71555550625559407
Fonte: SSP-SP

*com informações da Agência Brasil

Essa notícia foi atualizada em 25 de agosto de 2020 20:49

Compartilhar
Tudo sobre: EstuproSSP-SP
Leandro Cesaroni

Jornalista graduado pela FIAM e pós-graduado em jornalismo cultural pela FAAP